Páginas

sábado, 17 de novembro de 2012

A importância dos informantes.


O serviço investigativo se dá na colheita de informações.
Essas informações são obtidas de diversas formas.

Uma figura conhecida e de grande importância é o informante.
Em alguns casos, o informante fornece elementos com algum interesse.

Há exemplos de traficantes que entregam outros traficantes.
Há exemplos de pessoas que buscam tirar proveito da situação.

Há aqueles que acreditam que, contribuindo conosco, ficaram imunes à nossa ação.
Ledo engano.

Não afirmo aqui que isso não ocorra, mas, felizmente, não presenciei nada do tipo.
Mas há aquelas pessoas que simplesmente querem ver o crime longe de suas casas e acabam passando informações.

O informante pode contribuir de forma eventual ou permanente.
Eventual quando vê algo de que suspeita ou tem certeza da ilicitude e procura ou telefona para a polícia.

Nesse caso, quando o informante conhece algum policial, procura diretamente por essa pessoa.
Seja em ambiente de trabalho, seja em casa.

Se não conhece, geralmente efetua ligação para a Delegacia e passa a informação, de forma anônima.
De posse da informação passada, fazemos uma certidão relatando tudo.

Ela é repassada ao Delegado, que decide a relevância e o que deve ser feito.
Mas também há os informantes que contribuem de forma permanente.

Contribuem ou por conhecer os sujeitos relacionados ao crime, ou pelo fato de o crime acontecer no meio onde vive.
Mas, claro, isso são pequenos exemplos.

Há N fatores que levam alguém a ser um informante.
E há que se ter o cuidado de filtrar tudo o que nos é passado.

Não acreditar em tudo, mas não desmerecer nada antes de confirmar as informações.
Como disse, o informante, geralmente, fideliza suas informações a alguém.

E não adianta, se ele não tiver confiança plena em outro policial, não vai falar.
Na condição de novato e de não estar na minha cidade natal, ainda não possuo informantes.

Frequentemente saio da sala quando informantes aparecem.
Evito causar algum receio e fazer com que a pessoa tema, por algum motivo, minha presença.

Certamente, com o tempo, terei meus próprios informantes.
Por enquanto, me concentro em observar como eles agem e os motivos pelos quais nos ajudam.

Assim, espero poder fazer um bom trabalho quando chegar minha vez.

8 comentários:

  1. Parabéns por compartilhar informações com os internautas.

    Mas você verá que os caminhos para servidor publico será difícil. Tempos atrás foi fazer um BO na polícia Civil, meu Deus. Eu sou ruim em escrever, mas o pessoa que me atendeu, coitada tive pena, fiz escrever duas vezes o BO, acabei desistindo, pela quantidade de pessoas que tinha na fila. Se cai na mão de um investigador o BO, é para rir ou chorar.

    Ai vejo toda este teoria bonita de investigação cair por água baixo. É uma pena!

    Mas siga em frente e não desista. Se puder ser melhor que os outros ótimos, mas sempre terá um para puxar vc para baixo principalmente o chefe. Serviço publico geralmente é isso ai!

    Grande abraço
    Paulo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo, o tira Luiz não falou sobre registro de ocorrência. E sim sobre uma parte da investigação. Fazer BO é uma burocracia que em muitos países é função dos patrulheiros. Sua conclusão foi falha. E por que falar que o chefe seria acabaria com a motivação do policial? Muito sem noção!
      Papa Charlie

      Excluir
    2. Obrigado pelas dicas Paulo.
      E obrigado pela defesa Papa Charlie.
      Abraço!

      Excluir
  2. Caro jovem tira, o correto seria dizer coleta de informações.
    Além do importante papel do informante, temos também o colaborador. Não sei se você aprendeu na Academia a diferença entre eles ou já viu na prática. Uma dúvida: aí no seu estado, quais são os cargos de Agentes da Polícia Civil? Explico: no Rio de Janeiro nós temos os cargos de Inspetor e Investigador (Inspetor é superior ao Investigador e esse ganha menos e precisa apenas do ensino médio). Já em São Paulo, temos os cargos de Investigador que está acima de Agente e esse ganha menos e não exige-se ensino superior. E não encontrei o seu cargo no conteúdo do blog. Qual é ele?
    Bom serviço!
    Papa Charlie

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Papa Charlie, agora que falaste, lembro que havia a diferença sim, mas não lembro a definição técnica exata.
      Na prática, não vi distinção.
      Aqui no Estado temos os cargos de Inspetor e Escrivão.
      O cargo de Investigador está em extinção.
      Encontrará Investigadores entre policiais antigos.
      Há mais ou menos 11 ou 12 anos exige-se ensino superior para qualquer um dos cargos aqui no Estado.
      Eu sou Inspetor de Polícia.
      Obrigado pelas dicas.
      Abraço!

      Excluir
    2. Então, é realmente difícil distingui-los no início. Mas em linhas gerais, a diferença entre informante e colaborador é que o informante fornece dados, o colaborador cria facilidades. Mas até mesmo nas definições oficiais, os dois se confundem. Enfim, desde que os objetivos sejam alcançados e ninguém é morto, quem vai atentar para meras definições...

      Desculpa quaisquer erros de português nos comentários, escrevi rápido.
      É sempre bom dar algumas dicas de sobrevivência.
      Adendos: Nunca subestime uma faca, há vídeos na internet demonstrando como podem ser perigosas. Em curta distância, o policial não tem tempo para sacar a arma e o bandido já o acerta com a faca. Ah, e quando escolher uma, compre a Smith and Wesson SpecialOps Boot Knife. É a melhor.
      Bom trabalho!
      Abraço!
      Papa Charlie.

      Excluir
  3. Ah, complementando.
    Você falou sobre, mas não deu o nome técnico, é a famosa VPI - Verificação de Procedência da Informação. E no caso de quem trabalha na área de Inteligência, que é o meu caso, é a Técnica de Avaliação de Dados.
    Continue com o blog, está ficando muito bom!
    E uma dica para você na questão tática, além da arma de fogo, compre um BET - Bastão Expansível Tática com pelo menos 65 cm quando aberto, de preferência um ASP e uma faca tática com lâmina de 15 cm no mínimo. E claro, aprenda a usar bem essas armas. Nem sempre precisamos utilizar uma arma de fogo, se estivermos muito próximos do agressor, sacar a arma pode ser uma perigo, pois o mesmo pode conseguir tirá-la de nós, ok? Só saque a arma em uma distância superior a 7 metros. Para manter distância de um agressor desarmado, use o bastão e em curtíssima distância, use uma faca. Infelizmente muitos policiais morrem por bobeira na hora do combate. Lembre-se: ter uma pistola .40 não é ser invencível. Há muitos bandidos de carreira que matar policial é uma especialidade e usam .45...
    Novamente, bom serviço!
    Papa Charlie

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Novamente obrigado pelas dicas Papa Charlie, certamente são de muita valia.
      Abraço!

      Excluir